Capítulo 11. Outros Usos para Testes

Uma vez que você se acostumar a escrever testes automatizados, você vai querer descobrir mais usos para testes. Aqui temos alguns exemplos.

Documentação Ágil

Tipicamente, em um projeto desenvolvido usando um processo ágil, como a Programação Extrema, a documentação não pode se manter com as mudanças frequentes do design e código do projeto. Programação Extrema exige propriedade coletiva de código, então todos os desenvolvedores precisam saber como o sistema todo funciona. Se você for disciplinado o suficiente para consequentemente usar "nomes falantes" para seus teste que descrevam o que cada classe deveria fazer, você pode usar a funcionalidade TestDox do PHPUnit para gerar documentação automatizada para seu projeto baseada nos testes. Essa documentação dá aos desenvolvedores uma visão geral sobre o que cada classe do projeto deveria fazer.

A funcionalidade TestDox do PHPUnit olha para uma classe de teste e todos os nomes dos métodos de teste e os converte de nomes camelCase do PHP para sentenças: testBalanceIsInitiallyZero() se torna "Saldo eh inicialmente zero". Se houverem vários métodos de teste cujos nomes apenas diferem em um sufixo de um ou mais dígitos, como em testBalanceCannotBecomeNegative() e testBalanceCannotBecomeNegative2(), a sentença "Saldo nao pode ficar negativo" aparecerá apenas uma vez, assumindo-se que todos os testes foram bem-sucedidos.

Vamos dar uma olhada na documentação ágil gerada para a classe ContaBancaria class (from ???):

phpunit --testdox ContaBancariaTest
PHPUnit 3.8.0 by Sebastian Bergmann.

ContaBancaria
 [x] Saldo eh inicialmente zero
 [x] Saldo nao pode ficar negativo

Alternativamente, a documentação ágil pode ser gerada nos formatos HTML ou texto plano e escrita em um arquivo usando os argumentos --testdox-html e --testdox-text.

A Documentação Ágil pode ser usada para documentar as suposições que você faz sobre os pacotes externos que você usa em seu projeto. Quando você usa um pacote externo, você está exposto ao risco do pacote não se comportar como você espera, e de futuras versões do pacote mudarem de formas súbitas que quebrarão o seu código, sem que você saiba. Você pode dar um jeito nesses problemas escrevendo um teste toda vez que fizer uma suposição. Se seu teste for bem sucedido, sua suposição é válida. Se você documentar todas as suas suposições com testes, futuras versões do pacote externo não serão motivo de preocupação: se o teste for bem-sucedido, seu sistema deverá continuar funcionando.

Testes Inter-Equipes

Quando você documenta suposições com testes, você possui os testes. O fornecedor do pacote -- sobre o qual você faz suposições -- não sabe nada sobre seus testes. Se você quer ter um relacionamento mais próximo com o fornecedor do pacote, você pode usar os testes para comunicar e coordenar suas atividades.

Quando você concorda em coordenar suas atividades com o fornecedor de um pacote, vocês podem escrever os testes juntos. Faça isso de modo que os testes revelem o máximo possível de suposições. Suposições escondidas são a morte da cooperação. Com os testes você documenta exatamente o que você espera de um pacote fornecido. O fornecedor vai saber que o pacote está completo quando todos os testes executarem.

Usando esboços (veja o capítulo em "Objetos Falsos", anteriormente neste livro), você pode chegar a se desassociar do fornecedor: O trabalho do fornecedor é fazer os testes executarem com a implementação real do pacote. O seu trabalho é fazer os testes executarem para seu próprio código. Até esse momento como você tem a implementação real do pacote fornecido, você usa objetos esboçados. Seguindo esta abordagem, os dois times podem desenvolver independentemente.

Please open a ticket on GitHub to suggest improvements to this page. Thanks!